O que é um sindicato local?

Um sindicato é uma organização formada por um grupo de trabalhadores com empregos semelhantes, a fim de proteger e promover os direitos, benefícios, salários e condições de trabalho dos membros. Nos Estados Unidos (EUA), no final do século XIX, começaram a se formar guildas de artesãos. Durante esse período, não era incomum que os trabalhadores fossem obrigados a fazer turnos de 12 a 14 horas por dia em condições de trabalho ruins e inseguras. Trabalho infantil também era comum. Muitos protestos foram tentados, mas as leis da época favoreceram os poucos industriais ricos e os protestos foram proferidos de maneiras diferentes, incluindo ações militares.

As guildas de artesãos tentaram estabelecer um equilíbrio entre o trabalhador comum e o poder dos industriais ricos; esse movimento foi o precursor da organização dos sindicatos modernos. As guildas de artesãos procuravam garantir a qualidade dos bens e serviços produzidos, garantindo que trabalhadores não qualificados não fossem contratados para produzir os bens ou prestar os serviços. Ao longo dos anos, essas associações locais começaram a se expandir e se unir, formando órgãos maiores e mais persuasivos. O foco dos sindicatos mudou um pouco e os trabalhadores sindicais locais se uniram para obter novas e melhores condições, direitos e benefícios.

Em 1914, o ponto de virada para os sindicatos modernos ocorreu durante uma onda crescente de indignação pública; o governo federal dos EUA aprovou uma lei chamada Clayton Act, afirmando que “o trabalho de um ser humano não é uma mercadoria ou artigo de comércio”. Essa etapa de definição legal do trabalho abriu o caminho para os sindicatos modernos. Outras vitórias do movimento sindical local incluem a aprovação da Lei Wagner e da Lei de Seguridade Social em 1935, e a Lei de Normas Trabalhistas Justas de 1938.

Com a aprovação de tais projetos de apoio, o sindicato local começou a se expandir. Um dos primeiros sindicatos modernos, os United Steel Workers começaram a se organizar como uma organização internacional nos EUA e no Canadá, acumulando mais de 700.000 membros nos primeiros seis anos de organização. Em muitos países da Europa e do mundo, os sindicatos se organizaram ainda mais em partidos políticos. Os sindicatos locais modernos costumam existir e operar como um braço de uma organização nacional ou internacional.

Os sindicatos locais e outros membros do sindicato começaram a subir no mundo inteiro. Na década de 1950, 36% dos trabalhadores nos EUA eram sindicalizados. Em comparação, os números de membros de sindicatos em todo o mundo incluíam: 95% na Dinamarca e Suécia, 85% na Finlândia, 60% na Noruega e Áustria, 50% na Austrália e 40% na Alemanha Ocidental e Itália. Desde a Segunda Guerra Mundial, o número de membros do sindicato continuou a diminuir constantemente, especialmente no setor privado. Os números de associação em 1990 mostram um declínio na participação do setor público de 42% nos EUA, 15% na Itália, 14% no Reino Unido, 9% na Áustria, 7% na Suíça, 6% na Suíça, 6% na Alemanha Ocidental, 3% na Noruega e 2% no Canadá.

Alguns argumentam que a filiação sindical atingiu seu pico em parte por causa das táticas violentas e ameaçadoras da organização. Um comitê do Senado dos EUA nomeado para investigar a atividade sindical expôs conluio, extorsão, uso de violência na organização e solução de controvérsias e uso indevido de fundos. Devido às descobertas do Comitê McClellan, a Lei Landrum-Griffin de 1959 foi aprovada em um esforço para corrigir os abusos nas relações de trabalho e gestão. A investigação e as leis subsequentes para desencorajar essas táticas podem ter levado ao declínio da filiação sindical nos EUA.