O que é Design Instrucional?

Ajudar os alunos a aprender o máximo possível é um objetivo importante que os professores e os sistemas escolares têm. O design instrucional pode ser uma parte importante para alcançar esse objetivo. De fato, o design instrucional tende a ser relevante em todos os níveis de aprendizado, independentemente de os alunos estarem no jardim de infância, no ensino médio, na faculdade ou além. Especificamente, o design instrucional, que foi fundado com base nas teorias de vários pesquisadores, envolve a análise de um ambiente de aprendizado, a determinação das necessidades de aprendizado dos alunos naquele ambiente e o desenvolvimento de um sistema para fornecer o que é necessário através do uso de estratégias instrucionais, materiais, teoria da aprendizagem e modelos de design instrucional.

Existem vários modelos de design instrucional. Um dos modelos mais importantes é o modelo ADDIE, no qual vários outros modelos são baseados. ADDIE é um acrônimo que se refere a cinco fases específicas envolvidas no projeto instrucional: a fase de análise, a fase de projeto, a fase de desenvolvimento, a fase de implementação e a fase de avaliação.

A fase de análise envolve a análise das características do aluno e das tarefas que ele deve aprender. O design é uma fase que envolve o desenvolvimento de objetivos de aprendizado e a escolha de um método instrucional específico. A fase de desenvolvimento refere-se à criação dos materiais de instrução ou de treinamento. Implementar refere-se à fase em que o professor entrega ou distribui os materiais a serem usados ??para a instrução. A fase de avaliação é quando se garante que os materiais de aprendizagem foram capazes de atingir os objetivos desejados.

O design instrucional foi fundado com base nas teorias de vários pesquisadores. Por exemplo, nos anos 1800, Hermann Ebbinghaus e Ivan Pavlov estudaram o esquecimento e o condicionamento clássico. BF Skinner desenvolveu um behaviorismo radical e aplicou isso ao aprendizado. Jean Piaget e Lev Vygotsky estudaram os estados de desenvolvimento dos alunos e os processos cognitivos relacionados à aprendizagem. O trabalho deles e o de David Ausebel ajudaram a formar a teoria da aprendizagem cognitiva, que é uma parte importante do design instrucional.

Então, na Segunda Guerra Mundial, Robert Gagne reuniu materiais de treinamento para ajudar as forças armadas dos Estados Unidos (EUA) e depois publicou um livro chamado “As Condições de Aprendizagem” (1965), que acabou sendo um livro importante em design instrucional. Robert Mager também publicou um livro importante chamado “Preparando Objetivos para a Instrução Programada” (1962) para ajudar os professores a escrever objetivos claros de aprendizado. Benjamin Bloom continuou o trabalho e descreveu mais detalhadamente os objetivos de aprendizado na famosa “Taxonomia de aprendizado de Bloom”, onde enfatizou que as lições devem ajudar os alunos a sintetizar e avaliar as informações em vez de apenas recordar fatos.

Depois disso, os modelos de design instrucional foram desenvolvidos por Walter Dick e Lou Carey e outros. Cada modelo sucessivo abordou diferentes aspectos do design instrucional. É importante notar que o advento da era da computação e o desenvolvimento do ensino a distância também impactaram o desenvolvimento do design instrucional.