Na moda, o que é um Drape?

Na moda, uma cortina é basicamente a maneira como o tecido trava ou cai. Coisas como saias e vestidos naturalmente têm esse tipo de elemento, mas os designers geralmente encontram maneiras de brincar com ângulos e comprimentos para tornar a peça mais artística e interessante. Draping também encontra seu caminho para outras roupas, principalmente camisas e casacos. As tendências da moda geralmente apresentam “quedas” angulares, onduladas ou de outro modo distintas, para atrair a atenção ou dizer algo sobre o estilo e o gosto do usuário. Eles podem ser adicionados a roupas para homens, mulheres ou crianças e podem ser usados ??em praticamente qualquer peça de vestuário. Muitos designers optam por experimentar a maneira como o tecido trava, mas também existem maneiras objetivas de medir esse recurso, tanto para fins de criação quanto de uso.

Idéia básica

A confecção de roupas pode ser um processo um pouco complicado, e há muitas coisas que o designer precisa considerar. Draping é um dos mais importantes. Os tecidos diferentes têm pesos e texturas diferentes e, como tal, se ajustam de maneira diferente e penduram de maneira diferente do corpo. Algo como seda que é realmente suave e quase escorregadia necessariamente paira de maneira diferente de algo feito de musselina ou algodão rígido. Designers e criadores geralmente levam esses e outros fatores em consideração ao criar peças de vestuário; eles também costumam desempenhar um papel quando se trata de determinações de tamanho, para que uma determinada aparência possa ser consistente de tamanho para tamanho.

Criação e Concepção

O drapeado geralmente começa com um designer pegando uma roupa básica e colocando-a no modelo de uma costureira. Geralmente, a peça de vestuário já é costurada em sua forma central – por exemplo, um vestido com corte de viés começaria como um tubo de viés no modelo. Em seguida, o designer pega pedaços de tecido e os prende na peça de roupa onde é desejada a cortina, o que dará à peça final a sua forma.

Modelagem de tecidos

Na maioria das vezes, o tecido preso não é o mesmo que será usado na peça final, mas sim um tecido semelhante e mais barato. Isso ocorre porque o tecido preso ao vestido geralmente é cortado ou marcado durante o processo de design, o que pode ser caro com tecidos finos. Praticar em algo mais ou menos descartável pode ser uma boa maneira de ver como o tecido cai naturalmente em uma peça de roupa proposta, e os tecidos geralmente são muito mais confiáveis ??e realistas do que papel de seda ou outros elementos de padronização.

Uma vez que o designer tenha a peça da maneira que deseja, ele fará as marcas finais no tecido para mostrar onde deve ser cortado ou costurado e, em seguida, removerá todas as peças. O designer pegará as peças e as traçará no papel para fazer um padrão para a peça final. Isso será usado quando o designer cortar o tecido e como um guia para a construção da peça, por isso é importante que o designer faça marcas detalhadas e precisas no tecido de prática.

Padrões de medição

Muitos designers preferem experimentar tecidos para ver como eles se penduram, principalmente para roupas específicas. Há também várias maneiras objetivas de testar como o tecido cai. Juízes em desfiles e competições de moda costumam fazer esse tipo de medição e também são frequentemente um elemento de críticas feitas às principais linhas e marcas de moda. Os designers que desejam fazer uma declaração com a forma como o tecido fica pendurado também podem procurar tecidos que são conhecidos por medir e ter bom desempenho.

As medições podem ser feitas determinando a rigidez de uma amostra de tecido ou usando um dispositivo chamado medidor ou fita métrica para determinar o que é conhecido como “coeficiente de cortina”. Isso é escrito como um número de zero a 100. Por exemplo, o tecido de sarja geralmente tem um coeficiente muito menor do que tecidos como o cetim, que tendem a ter coeficientes muito maiores. Na prática, os tecidos com um coeficiente mais alto geralmente ficam mais inchados do que aqueles com coeficientes mais baixos.